Liga-te a nós

Pro

Eis o que precisa de saber sobre a nova política de ritmo de jogo do PGA Tour

Jay Monahan, afirmou que o objetivo principal não é necessariamente acelerar o jogo.

O PGA Tour está a divulgar atualizações para a sua política de ritmo de jogo esta semana no American Express. As alterações alinham-se principalmente ao que a Golf Digest relatou no outono e foram aprovadas pelo conselho de diretores dos jogadores. Apesar do anúncio oficial do Tour na terça-feira, os jogadores do PGA Tour receberam um e-mail na segunda-feira com detalhes da mudança, que entrará em vigor no RBC Heritage em abril.

 

Política anterior

Os jogadores estavam dentro do tempo quando o grupo saiu fora de posição. Eles receberam um tempo extra entre 40 e 50 segundos (o primeiro jogador a jogar no par 3, o primeiro jogador a jogar uma segunda tacada no par 4 ou 5, o primeiro jogador a jogar num putting green, etc.) para dar um shot. O primeiro tempo mau resultou num aviso, enquanto um segundo tempo mau na mesma volta resultaria numa penalidade de um só strokee.

No entanto, o último jogador penalizado por lentidão no Tour foi Glen Day (apelidado de “All Day”) no Honda Classic de 1995. O Masters concedeu ao amador de 14 anos Tianlang Guan uma penalidade por jogo lento no torneio de 2013, enquanto Miguel Angel Carballo e Brian Campbell receberam penalidades de jogo lento no time Zurich Classic. Em suma, a política raramente era aplicada.

O Tour começou a preparar mudanças no ritmo de jogo no início de 2019. Embora o Tour tenha divulgado uma declaração sobre a mudança após as consequências de Bryson DeChambeau no Northern Trust, o PGA Tour disse ao Golf Digest que era uma resposta aos inúmeros pedidos de comentários oficiais sobre a situação, e não os incidentes de DeChambeau, que serviram de ímpeto para uma revisão. “Isso já está em andamento há meses“, disse Joel Schuchmann, vice-presidente de comunicações da PGA Tour.

O que não é abordado

No Havaí, o comissário da PGA Tour, Jay Monahan, afirmou que o objetivo principal não é necessariamente acelerar o jogo. “O foco no tempo cria outros problemas“, disse Monahan.

Tyler Dennis, vice-presidente sênior da PGA Tour e chefe de operações, confirmou que esse não é o foco. “O tempo total da volta realmente não mudou nos últimos 20 anos“, disse Dennis, citando pesquisas de dados históricos do ShotLink. Como tal, essas alterações não abordam a quantidade de tempo necessária para jogar uma volta – especialmente às quintas e sextas-feiras – ou a dificuldade que alguns eventos enfrentam para terminar durante a luz do dia.

Então, qual é a mudança? A esperança é modificar os hábitos dos jogadores que estão a levar à crescente frustração do jogo lento. De acordo com os dados do ShotLink, os 10% mais lentos dos jogadores demoram em média 63 segundos para shots nos greens, mais de 25 segundos que os de 10% mais rápidos. Approaches (55 segundos para os 10% mais lentos) são outra área de frustração.

O Tour identificará quais jogadores precisam de ajuda, graças a uma “Lista de Observação”.

The Northern Trust - Round Three

 

Lista de observação

Em vez de se focar em grupos fora de posição, o Tour está a olhar para os indivíduos. Será criada uma “Lista de Observação”, que será mantida em sigilo pelo público e pela associação ao PGA Tour como um todo.

O que fará um jogador pertencer a essa lista? Os parâmetros são os seguintes:

– Cada tacada ao longo da volta deve ser jogada em menos de 60 segundos, na ausência de um motivo válido. Se um oficial reparar que um jogador excedeu esse tempo, o jogador será cronometrado individualmente assim que for notificado. Se o jogador não tiver um tempo mau entre dois buracos, deixará de haver essa pressão de tempo.

– Se um jogador demorar mais de 120 segundos a jogar na falta de uma razão válida, ele receberá um “Tempo de jogo Excessivo” e será observado durante toda a volta por um oficial.

– A lista será atualizada semanalmente. Qualquer jogador com uma média geral de 45 segundos ou mais por golpe, com base num período de 10 torneios, estará na lista, assim como qualquer pessoa que receber dois “Tempos de Jogo Excessivos” num torneio será colocado na lista nas voltas subsequentes.

 

Execução

Um jogador receberá um aviso no seu primeiro mau momento. No segundo, ele receberá uma penalidade. Para cada tempo adicional, outra penalidade de um shot será aplicada.

Também haverá multas. Os tempos excessivos receberão punições de US $ 10.000 e US $ 20.000 pela segunda e adicional ofensas (com a primeira ofensa recebendo um aviso). Embora o primeiro momento mau também receba um aviso, uma segunda ofensa vem com uma penalidade de US $ 50.000, com uma penalidade de US $ 20.000 associada a outras ofensas.

“Não estamos à procura de cobrar essas penalidades“, disse Dennis. “Mas os jogadores precisam saber que existem.”

 

 

Outros elementos

Como mencionado acima, a lista será mantida em sigilo. Os jogadores só saberão se estão presentes por meio de uma notificação de um oficial de regras. Haverá educação continuada sobre a política e as suas mudanças ao longo da temporada, não apenas com os jogadores, mas com outras partes interessadas, como as redes sociais e fãs.

O tempo entre o American Express e o RBC Heritage funcionará como um período de teste para a nova política. O Korn Ferry Tour seguirá uma linha do tempo semelhante.

O Tour também trabalhará com os seus parceiros de transmissão para descobrir maneiras de melhorar a apresentação do desporto. “Não estamos a querer ditar como o jogo deve ser apresentado”, esclareceu Dennis. “Estamos sim a tentar encontrar os melhores métodos para entregar o nosso produto aos fãs.”

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Destaques

Mais em Pro