Liga-te a nós

Pro

Woodland e Reed dividem liderança

Woodland e Reed empatam com vantagem no Hero

Como jogador, Tiger Woods não estava tão feliz com o seu jogo na quarta-feira no Hero World Challenge. Como capitão da Presidents Cup, ele tinha motivos para ficar satisfeito.

Gary Woodland e Patrick Reed, que farão parte da equipe dos EUA na próxima semana em Royal Melbourne, conseguiram um vento forte nas Bahamas e terminaram com 66, 6 abaixo do par, compartilhando a liderança após a volta de abertura de um torneio que parecia mais um ajuste da Presidents Cup.

Woods usou duas das suas quatro escolhas de capitão em Woodland e Reed. Ele também usou outro em si mesmo, e mostrou muita ferrugem no seu primeiro torneio desde que venceu o CAMPEONATO ZOZO no Japão na última semana de outubro.

Woods fez bogeys desleixados nos dois pares 5 nos front nine. Ele acertou o passo nos back nine acabando com 5 abaixo do par, em cinco buracos, “chippando” para eagle no buraco 15, par 5. Isso colocou-o a três shots da liderança, até que ele terminou com bogey – duplo bogey totalizando 72.

Não foi um começo muito bom“, disse Woods. “Não joguei os pares 5 bem cedo e depois só acertei as coisas nos back nine. Ajustei-me bem mas depois joguei mal no 17 e 18.

Woods tem 11 dos seus 12 jogadores para a Presidents Cup no evento, e ficou claro que tipo de pares ele tinha em mente para as partidas que começam em 12 de dezembro no Royal Melbourne.

Ele jogou com Justin Thomas, que tinha um 69. Reed jogou com Patrick Cantlay, o seu parceiro no Zurich Classic de Nova Orleans nos últimos três anos. Woodland jogou com Xander Schauffele, enquanto Bryson DeChambeau fazia par com Webb Simpson e Rickie Fowler jogou com Tony Finau.

Matt Kuchar teve uma parceria de sucesso com Dustin Johnson em duas Ryder Cups. Johnson não está nas Bahamas, retirando-se na semana passada para dar ao joelho esquerdo mais uma semana para se preparar para os jogos. Kuchar jogou com Chez Reavie, que substituiu Johnson nas Bahamas.

Woods não revelou nenhum insight sobre os seus planos para a próxima semana, apenas deseja comunicação aberta.

Quero ter todos os jogadores à vontade com quem eles estão a jogar“, disse Woods. “É por isso que estamos a comunicar desta maneira, para que cada um entenda quando estão a jogar, em que formato estão a jogar, com quem estão a jogar, as diferentes opções que podem acontecer com base nas condições, com base nas formas das pessoas. Temos que ter todas essas contingências diferentes prontas.”

Apenas 10 do field de 18 jogadores conseguiram quebrar o par num percurso que normalmente permite uma boa pontuação. O vento era forte e na direção oposta, tão forte que Woodland atingiu com o ferro 5 o buraco 18, par-4, que normalmente é um ferro curto para o jogador.

Ele até considerou o vento enquanto “puttava”.

Às vezes é melhor errar o green do que estar no meio do green e “puttar” na direção do vento“, disse Woodland. “Tentámos jogar contra o vento durante todo o dia de hoje. Controlamos a bola de golfe o suficiente e demo-nos muitas oportunidades“.

Reed fez o seu dano nos back nine, deixando escapar quatro birdies até ao 16º. Os jogadores experimentaram esse vento durante a pro-am, e Reed ficou surpreso ao jogar com um wedge no habitualmente difícil buraco 16, par-4.

Hoje eu bati um lob wedge suave“, disse ele. “A bola está a ir sempre a favor do vento e muitas vezes o vento agarra-a e vai para qualquer lado. É preciso ser paciente e fazer putts sempre que houver oportunidade.”

Cantlay não se saiu tão bem no final com um bogey no 17º buraco, par-3 e fechando com um quadruplo bogey. Ele ficou estóico depois de assinar o seu cartão. Ele é assim no campo de golfe. É isso que Reed acha atraente.

Eu fico emocionado lá“, disse Reed. “E ele mal tem batimentos cardíacos.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade

Destaques

Mais em Pro